Nossa voz carrega tudo. O que somos.

O que admiramos, o que negamos. O que esquecemos, o que queremos.

Nossa voz nos carrega, nos transporta ao insondável universo interior, onde nada foi esquecido, onde tudo é, e pouco pode ser compreendido. Mas pode ser sentido…. se você suportar o um passo além do limite da mente.

Não há separação entre a voz e a memória. Sua voz é sua história. Em movimento. Atualização, verdade e vibração.

Nossa voz é o nosso porta estandarte, contento em si também, aquilo que vai além das nossas escolhas, também aquilo que não queremos mostrar.

Você não tem uma voz. Você é uma voz!

Assim como sua impressão digital é única no planeta, sua voz também, nunca houve nem haverá alguém com a mesma voz que você.

Somos água. E moléculas de água se orientam por vibração de som. Simples assim. E no entanto, tão inalcançável, ignoramos diariamente em nossas práticas.

Seus pensamentos são o som mais ensurdecedor, que teu corpo ouve, diariamente… palavras não ditas a imantar quem você é.

Frase: sequência de palavras que nos contam a nos mesmos e ao mundo.

Seja lá qual for o assunto da vez. Toda frase que dizemos, se ouvíssemos de verdade, estaria falando sobre nós…

Sentença.

Curioso que na nossa língua a mesma palavra signifique frase, e a decisão final do juiz que determina teu futuro.

Não bastasse a palavra “frase” ter como sinônimo “sentença”, tem também como sinônimo a palavra “oração”, que tem como definição no dicionário, a seguinte descrição:

“Aproximação da pessoa a Deus por meio de palavras ou pensamento. Inclui confissão, adoração, comunhão, gratidão, petição pessoal e intercessão pelos outros.”

E se você tem algum questão com a palavra Deus, ponha outra no lugar, a que melhor lhe couber, amor, vida, mistério…a que sua mente suportar. Que a gente não ouse denominar, sabemos do que estamos falando.

A voz, ainda aquela que só fala dentro de você, orienta o corpo, que determina as experiências, que definem uma vida.

Escuta.

Escuta inteiramente.

Permita que tua escuta te leve a perceber o caminho que tua voz esta a caminhar….

Permita que tua percepção perceba, que se a voz e a escuta, estiverem no piloto automático, o transporte pode te levar a um lugar não escolhido, a um destino não desejado.

Quando é que essa voz fala dentro de você, silencia?

Quando tem silencio e som, pausa e nota, a gente chama de música. Quando não tem silencio, a gente chama de barulho.

Pensamentos, palavras, sons, orações, sentenças…

Secretamente de baixo do teu nariz se comunicam vibracionalmente com o teu corpo… que comunica teus medos ao mundo que os materializa, quem sabe assim, você se ouve…

Respira. És um instrumento de sopro.

Soprando diariamente melodias de canções cheias de melancolias, vergonhas, iras… todas na rebeldia, pois não, tua mente não consegue, por mais que tente, determinar tuas emoções.

Ah música nossa de cada dia….Dona Música!

Senhora dos ares, mares e amores.

Imaginem, tal magia?

Em fluxo de melodia harmonizar os ânimos, males e ardores?

Respira.

O corpo assimila tudo, você é que não percebe que ele percebeu, recebeu, reverberou e aí ficou.

Tua voz é o sim, que você não consegue dar a tantos processos e eventos que tua vida atravessa a revelia da tua vontade e vaidade.

Tua voz aceita. Aceita porque ela pode.

Ela pode porque sabe atravessar. Do caos, a um novo som…

Mas você a estanca e se envergonha dos movimentos que possibilitam a travessia dela.

Tua voz e teu corpo emocional tem um pacto, um acordo funcional, vital, fluido, um ciclo de reciclagem.

Mas não. Você rejeita. Tu rejeitas. Ele rejeita. Nós rejeitamos! Esse verbo, intimamente, todos conjulgamos. Dar passagem as minhas sombras? Dessa loucura não queremos nem noticia. Recebemos quase como uma afronta… nosso controle fareja que no campo da voz, a fera está solta, silenciosa ou em urus de dor e alegria, de poder gritar, o que na garganta estancado está.

Então você não canta.

E não põe em movimento o vento que do teu pulmão aspirar as angustias…

Ou então canta envaidecido de ter domesticado o cavalo selvagem que tua voz é.

E depois faz cenas no galopa duro  querendo palmas por ter domado a fera.

Imaginem que a voz é como um circuito elétrico, se você não conecta da maneira justa correta (positivo/negativo) todos os fios, a luz simplesmente não acontece.

Nesses circuito vivo da voz que somos, no corpo, encontramos todas as nossas experiências, memórias, traumas, sim, cantar pode dar choque!! Mas, nesse mesmo circuito vivo da voz que somos também estão todas nossas possibilidades, nossas potências naturais, não exploradas, quiça, domesticadas.

A voz é tão exigente, quanto generosa.

Pois a liberação de fluxo que ela precisa para acontecer em sua toda potencia natural, é ao mesmo tempo o que ela exige de você, e o que ela lhe oferece.

Espanta os males, verdade, mas da trabalho e exige auto-responsabilidade, artigo esse em extinção hoje em dia.

É possível usar a voz como um simples instrumento mecânico, sem adentrar nos labirintos das nossas experiências, memórias e potenciais?

Sim, mas, para isso você precisa estar comprometido com um nível razoável de auto-enganação e anestesia.

Ainda assim, ao te ouvir cantar, sempre será possível perceber que você esta para sua voz, assim como está o passarinho para a gaiola. Voando, mas em alguns centímetros quadrados, com o olhar na imensidão do céu, e o mais dolorido, voando com porta da gaiola aberta.

Há quem diga que os olhos são a janela da alma, pois me parece as vezes que a voz, é a porta.

 

Leave a Comment